Ana Carolina Garcia. Foto: SRZD

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

John Bailey é eleito presidente da AMPAS

John Bailey não vai instituir um “sistema de cotas” na Academia (Foto: Divulgação – Crédito: ©A.M.P.A.S.®).

John Bailey tem mais de 80 filmes no currículo, entre eles “Gigolô Americano”, “Feitiço do Tempo” e “Melhor é Impossível” (Foto: Divulgação – Crédito: Todd Wawrychuk / ©A.M.P.A.S.).

Na última terça-feira, dia 08, o diretor de fotografia John Bailey foi eleito o novo presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood (Academy of Motion Picture Arts and Sciences – AMPAS) – seu mandato terá duração de um ano, mas ele pode concorrer à reeleição em 2018. Bailey disputou a eleição com o diretor de elenco David Rubin e a atriz Laura Dern. Considerada franca favorita, a atriz desistiu de sua candidatura devido a outros compromissos, mas declarou seu apoio a Rubin.

 

Homenageado com o Lifetime Achievement Award da American Society of Cinematographers (USA) e membro da AMPAS há 14 anos, sem nunca ter sido indicado à estatueta dourada, Bailey assume a presidência com dois desafios: o de realizar a próxima cerimônia do Oscar sem nenhuma grande polêmica e o de substituir Cheryl Boone Isaacs, que ocupou o cargo por quatro anos.

 

Conhecida por seu engajamento em conceder mais diversidade à Academia e também ao Oscar, Isaacs não pôde concorrer à reeleição porque ocupou o cargo pelo tempo máximo permitido, quatro anos, de acordo com as regras. Em maio deste ano, ela se afastou do conselho de diretores da instituição após toda a controvérsia, e pressão, gerada justamente por sua luta por inclusão. Apesar dos esforços da então presidente, não houve nenhuma mudança significativa no quadro no que tange à diversidade de seus membros – mesmo considerando as adesões recentes.

 

“Foi a minha maior honra participar do Conselho de Diretores da Academia em inúmeras competências por mais de duas décadas, e será um privilégio proporcionar a oportunidade de novas vozes”, disse Isaacs, primeira mulher afro-americana a presidir a instituição, em comunicado oficial divulgado em maio.

 

Outro fato que contribuiu para o seu afastamento do conselho em maio foi o erro da troca de envelopes na cerimônia deste ano, quando “La La Land – Cantando Estações” (La La Land – 2016) foi anunciado como o vencedor no lugar de “Moonlight: Sob a Luz do Luar” (Moonlight – 2016), causando um grande constrangimento à equipe do musical, bem como à AMPAS. O episódio mostrado ao vivo para todo o mundo gerou inúmeras críticas à Academia e aos auditores responsáveis pelos envelopes que continham os nomes dos vencedores.

 

A eleição de John Bailey tem gerado burburinho na comunidade hollywoodiana porque tem sido apontada por alguns como uma demonstração do conservadorismo da AMPAS, uma vez que seu concorrente, Rubin, se tornou membro há poucos anos. Mais do que isso, há quem coloque em dúvida a posição do novo presidente em relação à luta por diversidade instituída no mandato de Cheryl Boone Isaacs, questionando se sua eleição pode significar um retrocesso.

 

Os membros da AMPAS também elegeram profissionais para outros cargos do Board of Governors. São eles: Lois Burwell, primeiro vice-presidente (Comitê de Prêmios e Eventos); Kathleen Kennedy, vice-presidente (Comitê do Museu); Michael Tronick, vice-presidente (Comitê de Preservação e História); Nancy Utley, vice-presidente (Comitê de Educação e Divulgação); Jim Gianopulos, tesoureiro (Comitê de Finanças); e David Rubin, secretário (Comitê de Membros e Administrativo).

 

Apresentada por Jimmy Kimmel, a 90a edição do Oscar será realizada no dia 04 de março de 2018 no Dolby Theatre em Los Angeles. A lista de indicados será anunciada em 23 de janeiro.

Comentários

srzd



mais notícias