‘Anauê’: Gaviões da Fiel define samba para o Carnaval 2018

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Queiroz

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Wadson Ferreira

A Gaviões da Fiel definiu no final da madrugada deste sábado (12) seu samba para o Carnaval de 2018.

A obra dos compositores Luciano Costa, Bruno Muleki, Totonho, Alex, Fabio Palácio, Neto, Reinaldo Jr. e Fadico tornou-se o novo hino da Fiel na folia paulistana, tema oficial do enredo; “Guarus – Na aurora da criação, a profecia Tupi…Prosperidade e paz aos mensageiros de Rudá”.

Em disputa acirrada, a parceria conquistou a preferência dos jurados em vinte minutos de exibição, acompanhada pela bateria “Ritimão”, superando outras duas obras finalistas, consolidando-se como a oitava obra oficial do cardápio do Grupo Especial da cidade no próximo ano.

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Cruz
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Guilherme Queiroz

Segundo da noite a se apresentar, o “Samba 9” foi defendido pelo intérprete Celsinho Mody, voz oficial da Acadêmicos do Tatuapé.

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Cruz
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Wadson Ferreira

Em clima de confraternização, a festa foi marcada pela vibração das torcidas dos compositores finalistas, shows de coirmãs paulistana e carioca, e pela presença de sambistas de diversas agremiações.

Uma ausência bastante sentida foi a do intérprete oficial Ernesto Teixeira. Símbolo da entidade, o cantor não participou da final em razão da morte de seu cunhado, fato que recebeu menção da diretoria em mensagem de pesar feita no palco, nos minutos que antecederam o anúncio do resultado, divulgado por volta das 5h30, na voz do presidente da entidade, Rodrigo Fonseca.

+ Vídeo: assista o momento do anúncio

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Cruz
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Wadson Ferreira

A disputa; sigilo e isenção

Os interessados em participar da disputa na Gaviões tiveram até 18 de julho para entregar suas criações. No dia seguinte, após uma avaliação interna, foram anunciados os classificados para as próximas etapas, que aconteceram em 21 e 28 de julho, 4 e 11 de agosto, data da grande final.

Avaliaram as composições representantes de quatro departamentos da agremiação; diretoria, bateria, comissão de harmonia e comissão de Carnaval, além do presidente, dono do voto de minerva em caso de empate.

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Cruz
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Wadson Ferreira

Bastante detalhado, o documento, entre outras diretrizes, proibiu a divulgação dos sambas sem prévia autorização da diretoria da Gaviões e o registro dos nomes dos autores no material impresso de cada trabalho, neste segundo caso, sob a justificativa de que cada avaliador leve em conta apenas as características da obra, buscando isenção no momento da escolha. Leia o regulamento na íntegra.

 A festa e o verde presente na quadra

Para a grande decisão, a diretoria alvinegra convidou duas coirmãs de peso; uma de São Paulo, outra do Rio de Janeiro.

Em comum, a tradição dos respectivos pavilhões, cuja uma das cores, não são das mais frequentes no terreiro da “Torcida que samba”; o verde.

A carioca Acadêmicos do Grande Rio e a paulistana X-9, foram atrações importantes da festa, presentes com seus principais segmentos, abrilhantando o evento no bairro do Bom Retiro, na Zona  Norte da cidade.

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Cruz
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Wadson Ferreira
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Cruz
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Wadson Ferreira

Ouça os outros dois sambas envolvidos na final alvinegra

+ Compositores: Rogério, Lube LK, Renato do Pandeiro, Edmilson Silva, Vini e Moraes

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Cruz
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Guilherme Queiroz

+ Compositores: Osvaldinho da Cuica, Eduardo Regianno, Mario Caselli , Rica Leite, San Rodrigues, Bessa, Ribas, Ronaldo Adega 33 e Wagner Dr.

Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd - Guilherme Cruz
Final de samba da Gaviões da Fiel 2018. Foto: SRzd – Guilherme Queiroz

Empate técnico na opinião dos leitores SRzd

SRzd Carnaval SP perguntou a opinião de seus leitores sobre a decisão na Gaviões da Fiel. Veja o resultado do levantamento, feito através de enquete, que esteve no ar entre os dias 8 e 10 de agosto:

O quesito samba-enredo; Calcanhar de Aquiles nas últimas disputas

“Calcanhar de Aquiles” é uma expressão popular que significa o ponto fraco de alguém e transmite a ideia de fraqueza e vulnerabilidade. É o ponto onde uma pessoa se sente mais frágil, não possuindo domínio suficiente para controlar uma determinada situação (definição do dicionário).

Se é possível exemplificar o desempenho do quesito samba-enredo da Gaviões no últimos dois anos, Calcanhar de Aquiles pode ser uma boa opção.

Em 2016, três décimos perdidos, além do 9.8 descartado pelos critérios de julgamento da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo.

Neste ano, uma performance ainda pior. O quesito teve a pior nota entre os nove avaliados pelos jurados, um amargo 9.6, mais meio ponto perdido nas outras três notas. Se tivesse gabaritado em samba, a escola ficaria entre as campeãs do Grupo Especial, algo que não acontece desde 2011.

Confira o desempenho da Gaviões no quesito nos últimos dois anos

Um novo samba, um novo ciclo

A Gaviões da Fiel chegou ao Grupo Especial da cidade em 1990. E foi justamente nesta década que contribuiu para diferentes transformações observadas nos desfiles carnavalescos.

Além de ser a primeira agremiação oriunda de uma torcida organizada de um clube de futebol na divisão de elite do samba paulistano, trouxe, pelas mãos de Raul Diniz, outros conceitos plásticos e estéticos na concepção visual de suas apresentações.

Mais dois artistas importantes nessa trajetória se destacam; Roberto Szaniecki e Jorge Freitas, protagonistas, ao lado de Diniz, dos melhores anos da Fiel na Avenida. Foram quatro campeonatos em menos de uma década e a consolidação da alvinegra entre os pavilhões mais respeitados do Carnaval.

E como em toda a caminhada, alguns acidentes de percurso estavam reservados para a escola do Bom Retiro: três rebaixamentos destoaram das exibições em alto nível que a Gaviões acostumou-se a fazer na passarela do samba. Há seis anos, embora sem sofrer com o fantasma do descenso, fica de fora do desfile das campeãs, contexto que não condiz com a jornada vitoriosa da agremiação nas duas décadas anteriores.

Buscando reencontrar-se com seu DNA vencedor, logo após o concurso de 2017, a diretoria apostou na contratação de um dos mais renomados carnavalescos da folia paulistana. Sidnei França, acostumado ao sucesso em sua longa passagem pela Mocidade Alegre, pode ser um dos motores de um segundo ciclo virtuoso da entidade.

Em entrevista ao SRzd, além de comentar sua chegada na “Torcida que Samba”, Sidnei fez um balanço bastante amplo deste histórico da Gaviões no Carnaval de São Paulo.

Clique no player abaixo para ouvir:

Veja a logomarca do enredo 2018

Logotipo do enredo Gaviões da Fiel 2018. Foto: Divulgação
Logotipo do enredo Gaviões da Fiel 2018. Foto: Divulgação

Comentários

srzd



mais notícias