Prêmio SRzd Carnaval 2018: Justificativas sobre vencedores do Grupo Especial

Desfile Salgueiro 2018. Foto: Juliana Dias/SRzd

Depois de dois dias de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial, o SRzd divulgou na manhã desta terça-feira (13) os ganhadores da 11ª edição do Prêmio SRzd Carnaval do Grupo Especial. Leia abaixo as justificativas sobre cada vencedor:

Voto popular: escolha a melhor escola do Grupo Especial

MELHOR ESCOLA: Salgueiro

Um requinte exuberante nas fantasias e alegorias, uma narrativa coerente e fundamentada em uma pesquisa de muita profundidade, além de um extremo bom gosto no uso das cores, fizeram do Salgueiro uma escola completa: bem apresentada, componentes cantando, uma bateria poderosa sustentando um samba que não era destacado, mas brilhou na Avenida.

MELHOR SAMBA-ENREDO: Beija-Flor

O samba da Beija-flor tem letra perfeita e poética, de melodia arrebatadora que envolveu todo público com o forte canto da comunidade de Nilópolis.

MELHOR CARNAVALESCO: Jack Vasconcelos (Paraíso do Tuiuti)

Jack Vasconcellos apostou em um enredo que fazia uma ponte entre agruras do escravismo de um Brasil passado e a opressão política e racial que ainda prevalecem na sociedade brasileira. Para o júri, seu enredo foi denunciante sem ser panfletário, engajado sem ser caricato, crítico sem ser ofensivo. Um ótimo trabalho plástico que, com simplicidade e fácil leitura, trouxe a voz do povo para dentro da Avenida.

MELHOR BATERIA: União da Ilha

Em um ano em que várias baterias apresentaram uma performance próxima da perfeição, o diferencial da União da Ilha foi a simplicidade aliada à ousadia ao tirar um grupo de ritmistas do conjunto para a execução de um solo. Coisa de craque. Coisa de um monstro chamado Mestre Ciça.

MELHOR COMISSÃO DE FRENTE: Paraíso do Tuiuti

Patrick Carvalho apresentou um dos melhores trabalhos de sua carreira. Conseguiu juntar em sua apresentação os principais ingredientes de uma comissão: figurino adequado à proposta; domínio coreográfico e cênico; e interação com o público. Prova de que o simples bem feito é envolvente e marcante. Parabéns!

MELHOR INTÉRPRETE: Wander Pires (Mocidade)

Wander Pires, muito bem tecnicamente e criativo com suas entonações melódicas, dando mais brilho ainda ao samba da Mocidade de Padre Miguel.

MELHOR CASAL DE MESTRE-SALA E PORTA-BANDEIRA: Matheus Olivério e Squel Jorgea (Mangueira)

Matheus Oliverio e Squel Jorgea, da Estação Primeira de Mangueira, foram escolhidos como o melhor casal dos desfiles, por apresentarem o bailado em seu formato bastante próximo ao descrito há 22 anos no livro ” Dança do Samba, Exercício do Prazer”, de José Carlos Rego, com graça, fluência e majestade; postura altiva, elegância e releituras de movimentos do magnífico casal mangueirense, Delegado e Neide. Movimentando-se com naturalidade em momentos de expansão e outros de recolhimento da dança, o casal demonstrou domínio do espaço destinado à sua apresentação ao público e ao corpo de julgadores, expressando com sua dança a paixão pelo ritual do samba mangueirense. Observou-se a harmonia e a reciprocidade na realização de seus movimentos coordenados, assim como a concordância nos momentos de execução dos movimentos que caracterizam a expressão de cada dançarino, com destaque a seu estilo. A inovação no contexto coreográfico, em seu desfile, aconteceu ao final do percurso, quando, num gesto afetivo, o casal ofertou a uma senhora que estava na frisa do setor 13, uma rosa!  O bailado do casal foi, portanto, uma poética de seus corpos, escrita na passarela do samba.

MELHOR ALA DE PASSISTAS: Salgueiro

A ala de passistas do Salgueiro surpreendeu o júri do prêmio não apenas pela excelência de seu conjunto de samba no pé e talentos individuais acima da média. Os passistas estavam vibrando, chamando o público das frisas para interagir e muitos gritavam de euforia, se desafiando em duelo e promovendo uma integração da ala toda.

MELHOR ALA DE BAIANAS: Imperatriz

O belo figurino das baianas da escola, representando a princesa Leopoldina, foi destaque por priorizar as cores do pavilhão e o desenho clássico de uma baiana tradicional.

COMUNICAÇÃO E MARKETING: Ascom da Portela, composta por Raphael Azevedo, Paulo Renato e Vinicius Ximenes

Apesar de jovem, Raphael Azevedo é um jornalista com ampla folha de serviços dedicada ao Carnaval e ao samba. Na mídia impressa e no site de jornal, marcou época com um acervo de qualidade que o qualificou para outros desafios. Na Portela, ampliou seu talento e realizou em 2017, início de 2018, um trabalho exemplar, inclusive diante de situações adversas. Com um texto de qualidade, tornou-se exemplo para seus colegas. O prêmio de comunicação é extensivo ao departamento de Marketing da Portela integrado por uma equipe mais ampla que, durante os últimos 12 meses, lançou ações inovadoras desde pesquisa de marca até se utilizar da literatura de cordel para multiplicar os programas culturais da agremiação.

Comentários




mais notícias

    gl