Prefeitura do Rio ‘lamenta a falta de respeito e a ofensa gratuita’ em desfile da Mangueira

Desfile da Mangueira 2018. Foto: Reprodução de TV

Desfile da Mangueira 2018. Foto: Reprodução de TV

Com o enredo “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco”, do carnavalesco Leandro Vieira, a Mangueira desfilou na Marquês de Sapucaí na primeira noite de apresentações das escolas do Grupo Especial do Rio. Em um dos tripés mostrados na Avenida, havia um boneco do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e a frase “Prefeito, pecado é não brincar o Carnaval”.

O enredo da Verde e Rosa foi escolhido depois da polêmica no corte da subvenção municipal às agremiações. O tema assinado por Leandro Vieira trouxe um apanhado geral da história da folia e deu exemplos de Carnavais que não necessitam de dinheiro.

Nesta segunda-feira, a Prefeitura se manifestou por meio de nota enviada pela Riotur e disse que “lamenta a falta de respeito e a ofensa gratuita”. Segundo o informativo, “foram investidos quase R$ 80 milhões no Carnaval”. A nota finaliza dizendo que “a Prefeitura também abriu mão de taxas que sempre foram cobradas das escolas nos governos passados no valor de R$ 200 mil. Com muito esforço e criatividade, a Prefeitura investiu e se mobilizou para que o carnaval deste ano transcorra com organização, limpeza e segurança não só nos desfiles das escolas de samba, mas em toda a cidade”.

Leia nota na íntegra:

“A Prefeitura lamenta a falta de respeito e a ofensa gratuita. E lembra que, apesar da grave crise econômica vivida pela Cidade do Rio de Janeiro no ano passado, foram investidos quase R$ 80 milhões no carnaval. Só em recursos captados junto à iniciativa privada foram levantados R$ 38,5 milhões, o maior valor já captado. No caso das escolas do grupo especial, as agremiações receberam R$ 13 milhões da prefeitura, R$ 1 milhão para cada uma, mesmo valor que recebiam até 2015, sendo que naquele ano eram 12 escolas. Além disso, mais R$ 6,5 milhões foram obtidos com a iniciativa privada, totalizando R$ 19,5 milhões.

A prefeitura também repassou R$ 10,5 milhões para que as escolas dos grupos de acesso e as escolas mirins preparassem seu carnaval. Além disso, obteve mais R$ 3,5 milhões, que possibilitaram a montagem da infraestrutura na Intendente Magalhães, onde há um espetáculo gratuito em que desfilam escolas de samba dos demais grupos que não saem na Marques de Sapucaí. A Prefeitura também abriu mão de taxas que sempre foram cobradas das escolas nos governos passados no valor de R$ 200 mil. Com muito esforço e criatividade, a Prefeitura investiu e se mobilizou para que o carnaval deste ano transcorra com organização, limpeza e segurança não só nos desfiles das escolas de samba, mas em toda a cidade”.

Comentários

srzd



mais notícias