Em entrevista, Marlon Lamar fala sobre Lucinha Nobre, o peso do pavilhão da Portela e diferença do Carnaval do Rio e São Paulo

Mestre-sala Marlon Lamar / Foto de acervo pessoal

Com o enredo “De Repente de Lá Pra Cá e Dirrepente de Cá Pra Lá…”, da carnavalesca Rosa Magalhães, a Portela levará para a Avenida em 2018 um novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira: Marlon Lamar e Lucinha Nobre. Na série “Papo com o Rainho”, o colunista do SRzd Hélio Ricardo Rainho conversou com Marlon, que falou sobre sua dupla.

“A relação (com Lucinha Nobre) surgiu em São Paulo. Ela ia para dar aula para o primeiro casal da X-9 Paulistana. E, entre essas aulas, eu acabei a conhecendo pessoalmente e a convidei para ir à Império de Casa Verde, que era a escola que eu defendia. Ela me viu dançar e acabou que a gente criou um contato maior, uma troca de experiências, claro que da parte dela para mim. Lucinha Nobre é uma das gigantes da passarela do samba. E surgiu a necessidade no qual ela precisava de um mestre-sala para retornar ao Carnaval do Rio e eu tive a honra de ser convidado”, contou.

Sobre a dança, o mestre-sala revelou que “a Portela, por ser uma escola super tradicional, normalmente a gente acaba se adaptando ao estilo de mestre-sala no qual a escola acha necessário. Na Portela, em especial, acho que a postura, a galhardia e a sobriedade sobre o elemento mestre-sala e porta-bandeira acaba sendo muito forte. Ela tem uma trajetória de vitórias muito grande e tem que se adaptar de uma forma que você consiga demonstrar para as pessoas a grandiosidade que é aquele pavilhão”.

Marlon contou ainda sobre a hora em que dança para os jurados. “De uma forma quase impossível, eu consigo esquecer a Sapucaí num todo e focar exatamente na cabine do júri. Particularmente, eu gosto de me apresentar olhando para o jurado de mestre-sala e porta-bandeira. Gosto de sentir se ele demonstra a expressão corporal dele se ele está ou não gostando daquela determinada apresentação. E demonstrar ao jurado que eu não estou ali representando o casal, mas a Portela, uma escola de quase 95 anos. Demonstrar a força que aquele pavilhão tem”.

Antes do Rio, Marlon atuou em escolas de São Paulo. O mestre-sala falou da diferença entre os dois Carnaval. “O carioca abrange uma certa forma de liberar o folião de mostrar a capacidade que ele tem, por exemplo, como um mestre-sala. São Paulo trabalha muito com um regulamento ‘não pode’, ‘não se faz’, ‘não se deve’. No Rio, o regulamento te dá abertura de você mostrar o seu real trabalho. O Carnaval de São Paulo, de certa forma, visa o politicamente correto. Ele não dá uma abertura para você sair e se diferenciar de outras agremiações. Isso, de certa forma, acaba até atrapalhando a grandiosidade do Carnaval no sentido de espetáculo”.

Assista na íntegra:

Comentários




    gl