“Salve o verde do Xingu”! Imperatriz ensaia neste sábado na Sapucaí com apoio dos índios

Índios apoiam Imperatriz. Foto: Reprodução Facebook

“Salve o verde do Xingu”! É essa a mensagem que o carnavalesco da Imperatriz Leopoldinense, Cahe Rodrigues, pretende passar com o enredo “Xingu – O Clamor que vem da floresta”. A verde, branco e ouro do bairro de Ramos realiza o seu ensaio técnico neste sábado às 21h30 com os holofotes voltados para si. Índios de diversas etnias mandaram apoio à escola:

Recentemente o enredo da octacampeã do Carnaval carioca recebeu duras críticas de ruralistas. Segundo eles, a agremiação os denegriu em dois momentos. O primeiro foi na concepção da fantasia “Fazendeiros e seus agrotóxicos”, que tem como objetivo alertar o uso indevido do produto. Já o outro ponto são os versos do samba: “O Belo Monstro rouba as terras dos seus filhos, devora as matas e seca os rios”. Os compositores explicaram que essa parte da composição é uma alusão à Usina Hidrelétrica de Belo Monte, retratada no samba como “Belo Monstro”.

Cahe Rodrigues visita Parque Nacional do Xingu, no Mato Grosso. Foto: Arquivo Pessoal
Cahe Rodrigues visita Parque Nacional do Xingu, no Mato Grosso. Foto: Arquivo Pessoal

Em entrevista ao SRzd Carnaval, Cahe, disse que entrar em polêmica e denegrir o agronegócio brasileiro nunca foi o objetivo da escola e sim um alerta ao uso abusivo do agrotóxico:

“Nunca foi a intenção da escola agredir agronegócio nenhum. Eles pegaram um trecho do samba que não tem nada haver com eles e uma fantasia que fala do uso abusivo dos agrotóxicos e começaram a bombardear a escola sem ao menos conhecer o sentimento e o sentido da homenagem da escola ao povo Xingu. A gente sabe sabe o valor do agronegócio para o país e o nosso alerta é para o uso indevido dos agrotóxicos que matam os peixes e poluem a vida dos índios”, explicou o carnavalesco.”

O tema escolhido pela escola, segundo Cahe, o objetivo de homenagear os 55 anos de fundação do Parque Nacional Xingu, idealizado pelos irmãos Villas-Bôas e com o projeto redigido pelo antropólogo Darcy Ribeiro. O parque tem cerca de 27 mil quilômetros quadrados e está situado no norte do estado de Mato Grosso, entre o Planalto Central e a Floresta Amazônica. Atualmente, contém cerca de 5 mil índios de 16 etnias.

Tecnicamente a expectativa também é grande para o ensaio técnico e desfile da “Rainha de Ramos”. É que em 2016 a escola gabaritou todos os quesitos considerados de “chão”: harmonia, evolução, samba-enredo e bateria.

A escola será a segunda a ensaiar neste sábado com início previsto para as 21h30. Já no desfile oficial será a terceira agremiação a entrar na Avenida no domingo.

Logo do enredo da Imperatriz em 2017
Logo do enredo da Imperatriz em 2017

 

 

Comentários

srzd



mais notícias