‘É preciso que a gente resista sambando’, afirma autor de livro sobre o Carnaval de Niterói

Carnaval de Niterói. Foto: Gomes.

A Universidade Federal Fluminense, ao realizar o seminário “Escolas de Samba: História Pública, Saberes e Arte”, apresentou, na quarta-feira (8), a palestra “Carnaval e Escolas de Samba de Niterói”. A mesa foi composta por Laura Maciel, João Perigo, Winnie Delmar, Leandro Silveira e Matheus Viug. Na ocasião, foi lançado o livro “Antigamente é que era bom: a folia niteroiense entre 1900-1986”. Matheus, um dos autores, aproveitou o momento para se manifestar: “É preciso que a gente resista sambando”, afirmou.

Matheus Viug foi o responsável pelo terceiro capítulo do livro, que analisa a projeção maior do carnaval carioca. Nessa parte, ele revela que o primeiro sambódromo do Brasil foi em Niterói, o chamado “Sambópolis”, e funcionou nos anos de 81, 82 e 83. Depois, os desfiles seguiram para a Avenida Amaral Peixoto, no centro.

O restante do livro aborda, no primeiro capítulo, escrito por Winnie Delmar, as primeiras manifestações carnavalescas na cidade – ranchos, cordões, corsos, entre outros – e, no segundo capítulo: o surgimento do samba em Niterói; a relação de territorialidade nas agremiações; as dificuldades enfrentadas e a força dos blocos na época. Este capítulo tem Leandro Silveira como autor.

Leandro aproveitou o momento parar lembrar que esta era a primeira vez que se discutia o Carnaval de Niterói na UFF desde outubro de 1985.

Também compondo a mesa da palestra, Laura Maciel expôs um olhar acadêmico sobre o carnaval de Niterói, ao mostrar que as escolas, apesar de pequenas, possuem uma história rica. Já João Perigo revelou a preocupação com o momento de incertezas que o carnaval da ‘cidade sorriso’ passa e a luta pra trazer os desfiles de volta à Avenida Amaral Peixoto. Também falou da história de algumas agremiações como a Combinado do Amor, primeira a tentar migrar para o carnaval do Rio e uma das mais antigas da cidade.

O seminário “Escolas de Samba: História Pública, Saberes e Arte” foi organizado pelo Instituto de História e aconteceu nos dias 6, 7 e 8 de novembro ao oferecer diversas palestras sobre o universo do Carnaval, de forma gratuita e aberta ao público. A equipe do SRzd esteve presente.

VEJA OUTRAS MATÉRIAS SOBRE O QUE ROLOU NO SEMINÁRIO DA UFF:

‘O segmento passista é pouquíssimo valorizado’, afirma musa da Mangueira

Carnavalesca fala da importância do diálogo com segmentos da escola

Mulheres falam da condição feminina no universo das escolas de samba

‘Escola de samba é lugar de convívio social’, afirma integrante do departamento cultural da Portela

Pesquisadores debatem a criação de um enredo no Carnaval

*em colaboração ao SRzd.

Comentários




    gl