CHAT FOLIA: Beija-Flor de Campinas confia na experiência e promete desfile inovador

Barracão da Beija-Flor de Campinas (Divulgação)

Confiando na experiência, Pedro Yvo, que se divide entre presidente, carnavalesco e diretor da Beija-Flor de Campinas promete um desfile arriscado e inovador para falar dos sete povos das missões. A agremiação foi a primeira a concluir o seu barracão e há meses está na expectativa de divulgar seu desfile ao público. Confira a entrevista.

Não se esqueça os desfiles do Grupo B acontecem nos dias 14 e 15 de Outubro a partir das 14h30 no site www.uesm.com.br

Quem são os componentes e quais as funções?

Temos hoje exercendo cargos em nossa Escola quatro pessoas, são elas: Mariana Pieroni, nossa Rainha de bateria; Leonardo Pieroni, nosso mestre de bateria; Luciana Pieroni, nossa patrocinadora e destaque da escola; e eu (Pedro Yvo) como diretor, carnavalesco e presidente da Escola. Ainda temos muitas pessoas para entrar no quadro de funcionários e voluntários.

Explique a escolha do nome, do símbolo e das cores da escola.

A nossa escola tem como mãe a própria Beija Flor de Nilópolis, então foi uma homenagem a ela. Desde pequeno sempre fui fã da Escola de Nilópolis, que é a soberana do carnaval carioca, assim decidir fazer uma escola na época, junto com a família e amigos, para ser também a soberana da UESM, encantando a todos.

Como surgiu a ideia de criar uma escola de samba de maquete e participar da UESM?

Pra falar a verdade nem eu sei ainda, simplesmente conheci a UESM, me apaixonei e como eu já amava o carnaval (ainda amo e sempre amarei) foi como paixão à primeira vista, aconteceu.

Participa do carnaval?

Sim, desde pequeno sempre participei da escola de samba aqui de Campinas, chamada Rosa de Prata, mas como nos últimos anos não têm desfiles aqui fiquei apenas com a UESM.

Como é o seu relacionamento com o carnaval?

Tento me dedicar ao máximo com o que faço, então digo que tenho um ótimo relacionamento com o carnaval.

Desfila? Assista? Produz? Curte blocos, desfiles?

Quando dá eu desfilo. Assisto muito, chego a virar noites e noites. Produzo também. Os blocos tento estar em todos os possíveis. Desfiles, eu amo isso.

Já participou de outras ligas de carnaval na internet?

Não, eu prefiro honrar apenas uma liga e criar um bom currículo com a UESM, porque como eu sempre digo: o menos é mais.

Sobre o desfile. Conte um pouco do enredo que vai ser desenvolvido e o samba escolhido.

O nosso enredo foi escolhido através do samba da Beija Flor de Nilópolis, que sempre amei, tentamos fazer um enredo de fácil acesso ao povo, mas com uma pegada de preservação dos índios.

Como está sendo a experiência de produzir um carnaval de maquete? Qual o principal desafio?

A experiência sempre é muito boa, cada vez aprendemos mais com os nossos erros e acertos, mas o principal desafio é chegar a perfeição

A escola enfrenta alguma dificuldade em encontrar materiais na sua cidade?

Sim claro, tivemos bastante dificuldade em achar materiais rústicos e também de origem indígena, mas nos adaptamos com o que tínhamos e ficou muito lindo.

Tem alguma aposta em material diferente para este ano? Fale sobre ele.

Não, tentamos usar diversos tipos de materiais em todas as fantasias da escola, até por questões econômicas. Usamos muitos materiais recicláveis que no desfile o público nem perceberá, de tamanha perfeição.

Qual será o seu diferencial para se destacar em meio as 14 agremiações do grupo?

Tentamos aprimorar nosso trabalho cada vez mais. O público pode esperar, por que a diferença desse desfile será bem superior ao anterior, está tudo muito lindo e inovador.

Qual será o momento mais impactante do desfile?

O desfile no todo, como já disse, nosso trabalho está muito inovador e aprimorado, será um desfile antológico, mais muito inovador.

Pode nos revelar mais alguns detalhes ou curiosidades?

Quero que todo o nosso público, na hora do desfile, reparem nas alegorias. Nelas estarão nossa inovação.

Há uma coincidência de nome e de tema entre a Beija-Flor de Campinas e a Pernambucana, além da proximidade de desfile. Existe alguma rivalidade entre as escolas? Como se destacar?

Sim, a uma coincidência de nome e de tema entre nossas escolas, mas eu acredito no meu trabalho e minha escola. Sobre a questão da rivalidade, estou tranquilo, as pessoas falam muito, criam boatos, mas eu estou tranquilo, nem ligo para essas coisas. Eu quero saber é do sucesso da minha escola.

Pelo fato de já ter participado da UESM, você acredita que possa trazer vantagem sobre as demais agremiações devido as técnicas e experimentos que já conhece?

As expectativas existem. Vocês podem esperar muito do nosso trabalho, estamos tentando dar o nosso máximo para sermos campeões.

Sua escola organiza eventos, festas virtuais e reais, além de ensaios de quadra de maquete e mini Festival de Parintins. Como conciliar tudo isso sem perder o foco na qualidade do desfile?

São várias administrações diferentes, mas todos esses eventos são voltados para arrecadação de dinheiro para escola. Estamos preparados para o que der e vier, quem vai nos dizer o que devemos mudar são os jurados, é só aguardar, esperar as notas para saber o que devemos mudar.

Participe, inscreva sua escola pelo email: [email protected]

Saiba mais sobre o Carnaval de Maquete da UESM

Página oficial

Facebook

Youtube

Instagram

*em colaboração voluntária ao SRZD

Comentários

srzd



mais notícias