Ministro do STF quebra sigilo de aliados de Temer

Michel Temer em reunião no Palácio do Planalto. Foto: Reprodução de Internet

Michel Temer em reunião no Palácio do Planalto. Foto: Reprodução de Internet

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a quebra dos sigilos telefônico e telemático dos suspeitos de serem intermediários de propina para Michel Temer no inquérito dos portos, o ex-assessor Rodrigo Rocha Loures e o coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo, João Baptista Lima Filho, amigo do presidente.

Segundo publicação do site do jornal o Globo, as quebras de sigilo atingem também o dono da Rodrimar, Antonio Celso Grecco, e o diretor da empresa Ricardo Mesquita.

Barroso, que é relator do chamado inquérito dos portos, em que Michel Temer é investigado por ter supostamente beneficiado a empresa Rodrimar na edição de um decreto, já havia autorizado a quebra de sigilo bancário de Temer, que nega ter praticado os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Michel Temer tem rediscutido a decisão de divulgar publicamente os seus extratos bancários após o pedido de quebra de sigilo do ministro Barroso. Pela primeira vez na história um presidente no exercício do mandato tem seu sigilo bancário quebrado por ordem judicial. A quebra de sigilo abrange o período entre 2013 e 2017.

A equipe jurídica, auxiliares e assessores presidenciais consideram que há complicadores na divulgação, como a exposição pública de nomes que receberam ou depositaram recursos na conta do presidente por negócios de caráter privado, gerando uma espécie de devassa dos veículos de imprensa.

Comentários




mais notícias

    gl