João Doria se comporta como candidato a presidente e finge apoiar Alckmin

João Doria e Silvio Santos. Foto: SBT

João Doria e Silvio Santos. Foto: SBT

O prefeito de São Paulo, João Doria, tem ajustado a sua agenda de maneira que, cada vez mais, ele possa incluir aparições que o ajude a tornar-se mais influente nacionalmente. No último domingo (18) foi ao ar um encontro seu com o animador Silvio Santos.

Doria falou longamente sobre os “feitos” da sua administração, principalmente na área de Saúde. Ele foi interrompido algumas vezes por  Silvio Santos  que chegou a aconselhá-lo a se candidatar à Presidência da República em 2018: “Você está dando sorte por uma razão: atualmente os brasileiros estão sem candidatos e todo mundo está dizendo que se você se candidatar, não estou puxando o seu saco não, estou falando sério, todo mundo está dizendo que se você se candidatar, você pode se candidatar a presidente da República e pode ganhar”, disse Silvio para Doria.

Nesta segunda(19), João Doria veio ao Rio de Janeiro onde conversou com o prefeito do Rio. “Crivella é meu amigo de longuíssima data, uma amizade de pai para filho, pois era amigo do meu pai. É uma relação de coração, não depende de partido ou ideologia. Tenho conversado bastante com ele e temos intercambiado experiências bem-sucedidas entre as duas gestões”, afirmou o prefeito de São Paulo.

Em seguida foi homenageado por tucanos cariocas que já o veem como a melhor alternativa numa disputa presidencial. Sempre que pode, Doria desconversa quando é questionado como ficaria sua relação com o governador Geraldo Alckmin se ele fosse o preferido.

O que fica cada vez mais claro é que João Doria não está preocupado com o governador paulista e faz o seu jogo sozinho, pouco ligando para os seus correligionários que ainda não fecharam questão sobre a melhor opção para 2018.

Comentários

srzd



mais notícias